ENTREVISTA COPORGEST

Qual foi o mote de inspiração?

O “Casas do Mar” foi um projeto de reabilitação de uma moradia existente, antigo Instituto de Apoio a Cegos pertencente à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e que se encontrava em ruína, tendo sofrido também um incêndio devastador. A Coporgest pretendeu transformar a referida ruína num edifício de apartamentos exclusivos sem com isso perder a forma de moradia, tendo sido difícil manter uma escala de habitação unifamiliar quando na realidade o programa se estende em três apartamentos muito espaçosos e zonas comuns condizentes.

Pretendemos respeitar a fachada existente que era de arquitetura tradicional mas valorizar a mesma com elementos que durante muito tempo se utilizaram em moradias no Estoril, nomeadamente a mansarda à francesa e as varandas em ferro.

O projeto procurou fazer reviver o luxo de meados do século passado da Costa do Sol. Bem como evidenciar o mar como principal ponto de fuga do empreendimento.

Qual a maior dificuldade no projeto?

O maior desafio foi a garantia de qualidade não só arquitetónica mas de qualidade de vida, o Casas do Mar encontram-se entre o mar que sendo um elemento natural maravilhoso é também ele um foco de ruído, e a estrada nacional e a linha de comboio, iguais focos de ruído considerável. Assim o isolamento acústico foi uma das principais preocupações e estudado à exaustão sendo que inclusivamente até as fundações foram isoladas por forma a anular as vibrações. O Mar sendo tão próximo, foi também um ponto importante na escolha dos materiais pois a degradação que o mar provoca é acentuada em alguns materiais de construção e procuramos reduzir ao máximo esse risco.

O que mais é apreciado no projeto?

O projeto procurou evidenciar a qualidade, seja ela no tipo de materiais como no tipo de soluções técnicas utilizadas, assim não só os isolamentos acústicos e térmicos foram estudados exaustivamente como também os materiais de revestimentos foram selecionados entre os melhores de acordo com a exposição singular do edifício, sendo que além de todas as torneiras serem Fantini e os sanitários da Duravit com design Phillipp starck, as cozinhas da Armani, os roupeiros da Lema, as instalações sanitárias em pedra natural mármore calacata e o sistema de aquecimento e arrefecimento é feito por meio de Ar condicionado e de pavimento radiante com ambas as funções.

A vista para o jardim que se localiza na crista da arriba sobre o Mar é sem duvida um dos pontos mais apreciados onde a Coporgest se limitou apenas a fazer sobressair a estonteante paisagem e enquadramento natural e por permitir que se desfrute da imensidão da linha do horizonte com o máximo de qualidade possível obter numa habitação contemporânea.

Como foi a experiência JRBOTAS?

A experiência com a JRBOTAS foi como sempre agradável, com resposta célere e prontidão nos esclarecimentos e sugestões bem como no respeito pelos prazos de entrega dos materiais.